terça-feira, 9 de abril de 2013

As coisas que aprendi com o tempo - Minhas não-rugas.


O tempo me ensinou o que os livros me contaram, mas com a propriedade da aplicação.

O tempo me ensinou que a vivência ultrapassa a teoria.

O tempo me ensinou a não perder tempo.

O tempo me ensinou que envelhecer não é perder tempo e me ensinou também que a vida sem lei, sim, é perda de tempo,  que as regras tem de ser seguidas...

O tempo me explicou que é verdade a máxima de que quando ficamos muito fora, não estamos querendo mesmo olhar pra dentro.

O tempo me comprovou que Freud explica.

O tempo passou e me mostrou que quanto mais calma estive, mais construção trabalhei.

O tempo me ensinou a acrescentar na vida das pessoas e, mais tarde, a acrescentar primeiro na minha.

O tempo me ensinou que acrescentar necessita equilíbrio. Também me ensinou que há muita gente desequilibrada por aí procurando equilíbrio alheio pra se balancear. Como não se desequilibrar então?

O tempo me ensinou que equilíbrio é um exercício contínuo.

O tempo me comprovou na pele que o tempo passa, que as pessoas passam, que a vida passa... o tempo obrigou-me a entender que o tempo é um ciclo mutável e que a única coisa que não muda com ele é que ele sempre muda.

O tempo ensinou-me a ensinar. Ensinou-me que crianças gostam de ser tratadas com a seriedade dos adultos e que adultos gostam de ser tratados com a mesma compreensão que concedemos às crianças.

O tempo me ensinou que a vida é uma passagem, que tudo passa e que isso também pode ser uma dádiva.

O tempo ensinou-me a apostar nas pessoas, a acreditar no que ainda não existe, no que nunca foi visto, a quebrar as regras, a relevar os erros e a esquecer o passado. Ensinou-me a registrar os fatos, mas a não guardar rancor.

O tempo ensinou-me que é verdade que as pessoas são reflexo de nossa mente.

O tempo me ajudou a pensar sozinha.

O tempo me ensinou a procurar opiniões diversas.

O tempo ensinou-me a ponderar as ideias e a escolher um caminho livre de influências.

O tempo ensinou-me a não roubar no truco e a não acreditar em quem pensa no proveito que tira das situações antes de agir.

O tempo me ensinou a acreditar na bondade do desconhecido, na sorte do destino, na seriedade do planejamento.

O tempo me secou um pouquinho e ao mesmo tempo pediu que mantivesse a crença na docilidade.

O tempo me ensinou que sempre há tempo.

O tempo me ensinou a queimar as pontes que atravessei.

O tempo me ensinou a importância do amor.

O tempo me ensinou a abençoar todo o próximo e a ter pena de quem apoia o desastre ao invés de aconselhar: "Resolva".

O tempo ensinou-me a rezar. Ensinou-me a não chorar tanto e a sorrir mais.

O tempo ensinou-me a conviver com a decepção e a não deixar de acreditar.

O tempo me ensinou a diferença das histórias que contam e a dos fatos que acontecem. O tempo ensinou-me a não dar tanta credibilidade às narrativas em 1ª pessoa.

O tempo ensinou-me a ser ambígua. Muito creio e muito desconfio.

O tempo me ensinou a meditar nas horas de turbulência e calmaria. O tempo me ensinou que harmonia é mais importante que alegria.

O tempo ensinou-me que quem muito se ausenta continua fazendo falta, a gente é que se acostuma com a falta.

O tempo me ensinou que eu gosto de batom vermelho, mas que eu fico melhor de rosa.

O tempo me ensinou que ninguém morre por causas naturais de amor. O tempo me ensinou que amor faz viver e que a busca do mundo é a de reconhecê-lo nas situações, nas matérias, nas pessoas... e se esquecem que amor é o reconhecimento de si na imagem do próximo. Amor é se enxergar como é e se amar no espelho que é a alma de todo outro.

O tempo vem me ensinando a conviver comigo.

2 comentários:

Anônimo disse...

Há o tempo!
Sempre ensinando. Algo invisível, mas ao mesmo tempo visível,
que vem realiza suas transformações e quando vamos agradecer ele já se foi.
Albert Einstein Dizia: "Nunca penso no futuro, ele chega rápido demais.",
acho que por isso existe esse cara "O Tempo", como um limitador do futuro,
Einstein não pensava no futuro, pois deixava o tempo se encarregar desta
tarefa árdua.
O tempo me ensinou tantas coisas, amar, rir, sair da tristeza, chupar laranja.
E pessoas me ensinaram a respeitar o tempo, calma tudo vai se resolver.
Não sou um poeta, mas um adorador do tempo.
E você deve ficar melhor de batom rosa.

PS.: Anonymous

Thays Mendes disse...

O valor das coisas não está no tempo que elas duram, mas na intensidade com que acontecem. Por isso existem momentos inesquecíveis, coisas inexplicáveis e pessoas incomparáveis como você.